Hospital INC - Instituto de Neurologia de Curitiba

Dia Mundial do Coração: Cardiologista alerta sobre infarto para Paranashop

A Organização Mundial da Saúde (OMS) definiu o dia 29 de setembro como Dia Mundial do Coração, para alertar as pessoas sobre os cuidados com o órgão. Segundo dados da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), as Doenças Cardiovasculares (DCV) são as principais causas de morte no mundo e, no ano passado, 17 milhões de pessoas foram vítimas de ataques cardíacos e derrames.

No Brasil, segundo o Ministério da Saúde, o infarto é a segunda causa de morte por doença mais frequente, com 300 mil casos por ano, ou seja, uma morte a cada dois minutos e o equivalente a 30% das mortes por todas as causas.

O médico cardiologista do Hospital INC, Guilherme Barreto G. Silva, explica que é preciso estar atento aos primeiros sintomas. "O principal sintoma é a dor no peito. Geralmente semelhante a uma pressão no tórax ou a uma queimação,  podendo irradiar para a região da mandíbula e/ou para o braço esquerdo", explica. Alguns pacientes apresentam-se com sintomas atípicos ou com sintomas equivalente como falta de ar, dor ou queimação na região do estômago, sudorese, palidez e fraqueza intensa. Qualquer destes sintomas que apresente duração maior que 20 minutos deve ser imediatamente avaliado por um especialista em cardiologia. O médico recomenda procurar um hospital que tenha atendimento cardiológico imediato ou chamar uma ambulância, para que os protocolos de atendimento sejam desencadeados o mais rápido possível. "Quanto mais rápido for o atendimento, maiores as chances de um tratamento efetivo, reduzindo possíveis sequelas e o risco de morte", alerta.

Além da importância de detectar os sintomas iniciais de um episódio de infarto, o cardiologista enfatiza que a prevenção é o melhor caminho para evitar esta enfermidade tão temida. "Realizar avaliações periódicas, focando na identificação precoce e no rígido controle dos fatores de risco, reduz drasticamente a incidência de infarto na população. Diabetes, pressão alta, colesterol alto e tabagismo são os clássicos vilões a serem combatidos. Atividade física aeróbica e alimentação saudável são inquestionáveis.  Muita atenção deve ser dada a quem tem histórico de infarto ou derrame na família (pais, avós, irmãos), a genética é um fator de peso para o desenvolvimento desta doença", lembra o cardiologista. Também merecem cuidados especiais os pacientes com estresse, ansiedade e depressão, condições cada vez mais relacionadas com o aumento da incidência de doença nas artérias do coração.

O médico finaliza informando que a tecnologia para diagnóstico e tratamento evoluiu muito nos últimos anos e que, quando os protocolos para identificação da obstrução das artérias coronárias são seguidos à risca e em tempo hábil, o infarto pode ser diagnosticado ou descartado de forma segura, oferecendo a oportunidade de um tratamento efetivo e com mínimos danos à qualidade de vida do paciente.

Fonte: Paranashop